quarta-feira, 9 de novembro de 2011

A Neurose da Religião - Tom Hovestol



Por Eduardo Vaz:

Talvez esse seja o livro mais relevante que li em 2011. Nunca havia feito uma leitura tão abrangente sobre os fariseus como essa do ótimo Tom Hovestol. Confesso que ando meio cansado de leituras apenas pós moderninhas , que com o intuito de minar a força da igreja e sem compromisso com ela, fazem ataques a tudo e todos, porem essa leitura foi de grande inspiração, porque dentre outras coisas o autor não negar o valor das praticas mais piedosas dos fariseus, apenas nos mostrando os riscos que essas praticas trazem em si, e o porque Jesus nos mandou tomar tanto cuidado com esse povo. Indicadíssimo para quem quer ser relevante na vida com Deus e com as pessoas no dia a dia.

Sinopse:

ZELOSOS em relação às Escrituras.
ESCRUPULOSOS em suas ofertas.
DEDICADOS a viver sem ser maculados pelo mal do mundo.
ARDOROSOS na antecipação da libertação de Deus.
CONSCIENCIOSOS na obediência aos mandamentos de Deus.

Essas afirmações descreve, os fariseus. E elas também retratam nossa comunidade evangélica. Ainda assim, a maioria de nós não consegue avaliar os riscos paralelos existentes conosco.

Focamos os fariseus como personagens negativos. Ao proceder desse modo, perdemos o benefício prático da intenção de Deus ao nos revelar muito a respeito deles.

Neste livro, o autor examina os fariseus. Ao explorar as raízes históricas e bíblicas desse grupo, ele descobre verdades profundas que alertam os cristãos a evitarem esse caminho desastroso. Podemos ser os fariseus de hoje, e muito mais do que gostaríamos de admitir!

Tom Hovestol faz brilhar uma nova luz em nossa compreensão de quem somos e do que Jesus nos diz.

Leith Anderson, pastor da Wooddale Church.

Este livro está em busca da alma. Deveria ser leitura obrigatória para todo cristão conservador.

Duane Litfin, reitor do Wheaton College.

Este livro cheio de percepções abriu meus olhas um pouco mais para a verdade e me chamou ao arrependimento. E, ao mesmo tempo, ofereceu esperança e conselhos práticos para a mudança. Creio que o livro do Tom nos levará a um nível mais profundo de semelhança a Cristo.

Greg Waybright, reitor da Trinity International University.

Perdemos consistentemente o choque de valores provocado pelos ensinamentos de Jesus porque nos esquecemos de seu contexto original. Poucos judeus do primeiro século teriam considerado os fariseus hipócritas, eles eram os grupos mais popular dos líderes religiosos conservadores.

O que Jesus percebia neles que os outros não viam? Hovestol fez sua lição de casa e explica isso de uma forma extremamente clara e agradável. Podemos ser os fariseus de hoje, e muito mais do que gostaríamos de admitir!

Craig blomberg, professor do Denver Seminary.

Tom Hovestol é pastor da Calvary Church, em Longmont, Colorado. Graduou-se no Wheaton College e Trinity Evangelical Divinity School, foi professor por três anos em Suazilândia, na África. Ele e sua esposa, Carey têm cinco filhos.

Um comentário:

Joezer Barros de Souza disse...

Estou começando a ler este livro, e a princípio, o autor trás mais uma concepção histórica do que bíblica dos fariseus. Falam dos fariseus como bíblicos, ortodoxos e escriturísticos. No entanto, não é isso que a Bíblia diz sobre eles. Paulo diz em romanos que eles não tinham conhecimento; Jesus ao citar profetas, aplica algumas passagens aos fariseus, no sentido que eles estavam endurecidos.

Vamos ver se até o término o autor equilibre essa perspectiva, que até então me parece bem capenga. Abraço